Kurt Kraut

batendo tambor com o Ubuntu

Salamandra futurista

Foto de salamandra

Um pouco mais de uma semana depois do lançamento do Dapper Drake, a comunidade Ubuntu começa a preparar o terreno para os primeiros passos da nossas salamandra, Edgy Eft, codinome da próxima versão do Ubuntu. O Edgy deverá ser lançado ainda em outubro desse ano, o que promove um ritmo acelerado de desenvolvimento.

E esse ritmo já começa acelerado. Já foram colocados no ar os repositórios oficiais do Edgy, que servem apenas para estruturação, qualquer tentativa de atualizar para o Edgy no momento agora irá danificar o sistema. Mas só esse primeiro passo é uma demonstração que a produção da salamandra já está à todo vapor.

O kernel que acompanhará o Edgy será o 2.6.17 e o compilador gcc 4.1. De resto, ainda é só especulação ou discussão. A comunidade pode sugerir e discutir recursos e mudanças para o Edgy em wikis destinados a isso. Lá, encontram-se das idéias mais brilhantes até as mais insanas.

Muitas pessoas não perceberam que o Edgy terá menos tempo de desenvolvimento e estão atirando para todos os lados, querendo que o Edgy venha com tudo do mais novo e mais instável (diga-se de passagem). Uma dessas insanidades é querer que o Xgl seja o servidor X por padrão no lugar do X.org 7.1. Há nitidamente por parte de muitos uma confusâo entre evolução e revolução. Em 4 meses devemos evoluir, eleger poucas mais grandes metas e concentra-se nelas

Mas minha intenção hoje é trazer para o Planeta algumas das sugestões que achei mais relevantes feitas pela comunidade. São elas:

1) Janelas de boas-vindas.

Após a instalação, o usuário seria recepcionado no sistema por uma janela de boas-vindas, listando de forma amistosa as documentações mais consultadas e relevantes logo após a instalação, como por exemplo, como fazer a internet funcionar e como habilitar os demais repositórios oficiais, com avisos sobre as questões legais e de SL envolvidas.

2) Explicações sobre legislação e codecs.

Com certeza o primeiro pensamento de um usuário novato que tenta tocar MP3 no Ubuntu é de que se trata de um 'erro' no sistema. Esse tipo de má impressão tem que ser combatida. Com isso, o sistema seria munido de textos explicando as questões legais dos codecs proprietários para sensibilizar o usuário sobre as limitações que o sistema tem 'out of the box'.

3) Integração com o Windows.

A montagem automática desde o LiveCD até o sistema instalado das partições NTFS e FAT32 do WIndows com até integração do conteúdo, como por exemplo, a capacidade de importar os 'favoritos' do Internet Explorer do Windows para o Firefox do Ubuntu. Para o usuário que está ensaiando seu ingresso no mundo Linux esse tipo de recurso é importante, dá sustentabilidade a sua permanência no Ubuntu, tendo acesso ao seus arquivos e dados importantes para que cada vez menos sinta a necessidar de dar boot no Windows.

4) Sistema de arquivos amigável.

Eu odiaria ser obrigado a usar um sistema assim, mas sendo isso um recurso configurado por padrão, ajudaria muito o uso do Ubuntu por leigos. Atualmente nosso sistema de arquivos é uma sopa de letrinhas formando trincas incompreensíveis e assustadoras para o usuário: /usr /opt, /var etc. A idéia é ocultar por padrão pastas que o usuário dificilmente teria a necessidade de manipular e/ou apresentá-las com um nome mais inteligível e quem sabe, até traduzido em seu idioma local ?

5) Níveis de experiência usuário.

O sistema perguntaria ao usuário qual o nível de experiência do usuário, com duas ou três opções (ex.: inciante/intermediário/experiente) e eles seriam tratados de forma diferente. Para um usuário iniciante, o sistema mencionaria 'Som' em vez de ALSA ou 'Tela de entrada' em vez de GDM. Mas já que o sistema tem a 'humanidade' em mente, por que não humanizar ele por completo ? Pelo menos para mim dentro do Ubuntu falar em 'Tela de Login', fica claro que estamos falando do GDM e me habilitaria a falar o 'dialeto' dos usuários iniciantes que presto suporte.

6) Reconhecimento de voz.

Um dos dias que mais me diverti com um computador foi com um iMac e seu sistema de reconhcimento de voz. A máquina possuia um microfone embutido e ao ativar um programa, bastava você falar a palavra 'browser' não tão perto do microfone que o sistema abria uma janela de navegador. Mais que uma tecnologia assistiva, útil a deficientes, ela é um excelente aditivo a usabilidade do sistema. Além de teclado e mouse, teremos a voz para coordenador o computador e isso promove um acesso mais rápidos a programas e tarefas.

7) Fim do X Torre de Babel.

Um recurso que já existe na sessão de LiveCD do Dapper e que poderia ser incluso no sistema instalado do Edgy é o uso do driver VESA em última instância para o X. Caso o X não consiga utilizar os drivers da placa de vídeo ou tenha qualquer outra dificuldade, ao invés de entregar o usuário para o terminal piscante e abandoná-lo, iniciar o sistema com VESA permite pelo menos o acesso a interface gráfica e permitir que o usuário dê um grito de socorro na web.

8) Uso do InitNG para o boot.

Que tornaria o processo de boot, antes vergonhoso no Breezy, mais rápido que já é no Dapper. Além de ter otimizações por natureza, o InitNG toma decisões aparentemente melhores. No sistema de boot atual, qualquer serviço instalado (ex: apache, MySQL) será iniciado automaticamente no boot. Já no InitNG, você precisa expressamente dizer que um serviço instalado deve ser rodado no boot. Isso permite que o usuário tenha um controle claro do que deve iniciar ou não mas exigirá dele um engajamento maior na configuração do sistema para que funcione como desejado.

9) Instalação madura.

O Ubuntu trouxe muita gente para o mundo Linux e a fatia de usuários experientes usando o Ubuntu ou que ganharam experiência com ele vêm aumentando. Um dos motivos do CD de instalação até hoje não permtir a seleção de pacotes é porque o usuário não conheceria os programas, não faria sentido perguntar se ele quer instalar um programa chamado gdesklets por exemplo. Mas esse cenário tem mudado e acho que vale a pena atender o usuário experiente na instalação.

Também outras sugestão é permitir os mais diversos meios de conexão durante a instalação, como PPPoE mesmo no 'Alternate Install', para que os pacotes extras sejam baixados no ato da instalação.

No particionamento a idéia é, por padrão, manter o /home numa partição separada da raiz /, o que até hoje era tido como uma 'configuração avançada'.

Para melhor performance, o instalador optaria por um kernel otimizado para a arquitetura do processador, como o linux-image-k7 para alguns processadores AMD em vez do genérico linux-image-386.

Por fim, imagens de CD traduzidas para os mais diversos idiomas, como o português. Assim, desde a telinha de boot do GRUB no CD de instalação até o sistema instalado, todo o processo seria em português.

10) Multimídia para gente grande.

Dentre as sugestões para essa área, as mais relevantes foram a definição do Listen como player de áudio padrão e o Diva para edição de vídeos. O Listen é um player voltado para Gnome, repleto de recursos, como exibição da letra da música, dados da wikipedia e integração com o last.fm. Já o Diva, é um editor ainda no início de seu desenvolvimento, longe de uma versão 1.0 mas tem uma usabilidade tremenda, talvez um dos melhores programas no questio interface e usabilidade já feitos no Linux. Deixa o Windows Movie Maker comendo pó. Não deixe de ver alguns screenshots e vídeos do Diva para entender do que estou falando.

11) Impressão.

É uma das áreas com menos sugestões. Poucas, mas boas. Desde impressora virtual para PDF instalada por padrão, o que permite que qualquer programa capaz de imprimir gere um PDF, até o desenvolvimento de ferramentas que tornem o compartilhamento de impressora com o Windows mais amigável.

12) apt diversificado.

Me impressionei com a sugestão do apt-torrent. Apesar de duvidar que se torne um método popular para baixar e instalar programas, ter essa carta na manga é interessante pois pode descentralizar o fluxo de pacotes quando os repositórios estiverem lentos ou fora do ar.

O apt-build também poderia ser cogitado para integrar o melhor do mundo Debian, da instalação por pacotes, com os benefícios da compilação otimizada. Seria um meio termo interessante entre um sistema totalmente pré-compilado como o Debian e um totalmente compilado como o Gentoo. Ele seria útil para instalar pacotes pesados/lentos que atuam como gargalo na execução de tarefas e/ou na compilação de pacotes utilizados por muitos outros, como python, e portanto quanto melhor forem otimizados, mais programas serão beneficiados por esse aumento de velocidade.

Por fim, uma das modificações que acho mais importante es e tivesse que eleger uma para o Edgy de todas essas que trouxe aqui, eu elegeria essa: 7zip para pacotes. O 7zip é um conjunto de algorítmos de compressão que são capazes de comprimir arquivos em tamanhos bem menores do que outras compactações mais comuns como gzip e bz2 utilizados atualmente nos pacotes .DEB.
Em testes preliminares, um arquivo de 1612.5mb foi compactado nesses diferentes formatos. Veja os tamanhos finais desse arquivo comprimido:

Gzip: 596.9mb e levou 02min25s para descompactar.
Bzip2: 539Mb e levou 02min11s para descompactar.
7zip (compressão padrão): 445.6mb e levou 06min35s para descompactar.
7zip (compressão alta): 424.3mb e levou 06min29s para descompactar.
7zip (compressão máxima): 423.2mb e levou 06min25s para descompactar.

Se todos os pacotes .DEB do Ubuntu passassem a ser ser compactados por 7zip, o tempo de instalação do sistema e de pacotes em geral triplicaria. Mas pense no impacto do uso de 7zip em alguns pacotes de segurança ou correção de falhas.

É extremamente importante que todos os usuários tenham o mais rápido possível estes arquivos, e compactando em 7zip tornaria-se muito mais fácil para o usuário de conexão discada ser contemplado com essas atualizações importantes, Isso tornaria o acesso as atualiações de segurança do Ubuntu mais democrática e eficiente.

Sem esquecer, claro, que a compactação 7zip poderia ser utilizada no CD do Ubuntu. Essa taxa de compactação adicional de 24% a 27% de espaço daria muito espaço para que mais pacotes fossem incluídos por padrão no CD de instalação. Imagine o que seria então um DVD de pacotes do Ubuntu majoritariamente compactados em 7zip ? Seria a salvação dos usuários com conexão discada ou com máquinas sem qualquer conexão.

Bem, são essas as discussões e sugestões mais relevantes para o Edgy na minha opnião. Vale frisar que são apenas sugestões e não metas de desenvolvimento. Nenhum dos itens acima descritos foram determinados como metas para o Ubuntu e não serão obrigatoriamente desenvolvidos. Mas boa parte deles muito provavelmente deve chegar a nossos computadores por volta de outubro deste ano.

Abraços,

KurtKraut

June 10, 2006 - Posted by | Planetas

18 Comments »

  1. Kurt meu velho.. parabéns pelo ótimo artigo. Com certeza deixou todos babando..🙂

    [ão]

    Comment by Fábio Nogueira | June 10, 2006 | Reply

  2. Kurt,

    Gostei especialmente da parte sobre como a Salamandra poderia lidar com os Volumes , sobretudo dispositivos de armazenamento.Outro ponto, ao meu ver importante, é que Edgy Eft possa fazer um uso mais otimizado dos processadores Dual e SMP, além de melhoramentos no item network para redes heterogêneas e no servidor X.No mais…..nota 10 pras suas sugestões.

    abraços.

    Carlos

    Comment by Carlos Araujo | June 10, 2006 | Reply

  3. Aloha Carlos,

    Os kernels voltados para arquiteturas como linux-image-k7 já vem compilados com SMP e para o Dapper também já temos kernels específicos para Xeon.

    No quesito de sistema de arquivos, existe a sugestão de adaptação do Lustre (https://wiki.ubuntu.com/LustreInUbuntu) para o Ubuntu. O Lustre está para o ext3 assim como o OpenMOSIX está para o processamento normal.

    Ele considera vários HDs como um único sistema de arquivos, então é psssível armazenar arquivos maiores que o espaço livre de um HD, pois a parte excedente será gravada em um outro HD. Mas para o usuário, o arquivo parece íntegro. 

    O Lustre tem um uso muito particular, para tarefas intensas. Acho difícil que entre no Edgy mas é algo interessante de se manter em vista.

    Obrigado pelo seu comentário. 

    Comment by KurtKraut | June 10, 2006 | Reply

  4. KurtKraut,

    O Lustre não seria necessário para fazer o que você mencionou, já que o LVM pode pegar vários HDs e apresentar ao sistema como um único dispositivo de armazenamento (Volume Group) e dentro do VG ficam contidos os LVs (Logical volumes) cujos dados se espalham por vários HDs. O LVM já pode ser usado no Ubuntu assim como o EMVS. Já o Lustre tem como principal função paralelizar o acesso a um sistema de arquivos e uma boa aplicação é justamente em clusters de alto desempenho (HPCs), onde temos a situação em que vários nós tentão acessar um único servidor de arquivos, então se temos vários servidores com Lustre compondo um único FS o desempenho será melhorado porque estaremos evitando um gargalo.

    Comment by JotaELe | June 10, 2006 | Reply

  5. Aloha JotaELe,

    Obrigado pelo esclarecimento. E o cenário que você levantou do Lustre me pareceu extremamente específico, muito além ainda do que acho que o Edgy vai alcançar.

    Mas existen inicativas específicas para clusters com Ubuntu, com OpenMOSIX e o Lustre me pareceu bastante atrativo para esse tipo de cluster. Será que um dia atingiremos a facilidade que o ClusterKnoppix tem ?

    Abraços,

    KurtKraut

    Comment by KurtKraut | June 10, 2006 | Reply

  6. Sobre compactação dos pacotes .DEB …

    Há um ganho de espaço realmente bom ao se usar 7zip, mas ao que tudo indica, a complexidade do algoritmo, os tempos de compressão e decompressão são maiores, e isso inviabilizaria o seu uso.

    Hoje em dia, espaço em disco ou conexão banda larga com a Internet são acessíveis, no entanto a capacidade de processamento nos desktops começa a estagnar. Pessoalmente, bzip2 ganha no balanço tamanho/velocidade.

    Comment by Freak | June 11, 2006 | Reply

  7. Caro Kurt, há por acaso o Listen e Diva nos repositórios do Dapper Drake?

    Belo artigo. Fiquei impressionado com o que pode vir por aí. Espero que estas dicas sejam implementadas.

    Comment by D4LT0N | June 11, 2006 | Reply

  8. Aloha,

    Para o listen basta adicionar esta linha no seu sources.list no Dapper:

    deb http://theli.free.fr/packages/dapper ./

    Depois:

    sudo aptitude update
    sudo aptitude install listen

    E seja feliz :p

    Já o Diva, é um projeto muito inicial ainda, saiu faz pouco tempo a versão 0.0.2. Vai demorar um bocado para que ele seja estável, útil e conste em nossos repositórios. Mas se você quiser ensaiar algo, baixe os códigos fonte e compile. 

    Comment by KurtKraut | June 11, 2006 | Reply

  9. Salve, KurtKraut,

    Parabéns pelo artigo.
    Achei legal sua preocupação com o usuário leigo ou de 1ª viagem. De fato, é importante focar na próxima versão as alterações ou melhorias com coisas como você enumerou, do que atirar para todos os lados e esquecer da usabilidade.
    Kurt, como seria o processo de inclusão ou avaliação de suas sugestões no Edgy Eft?
    Como você não falou a respeito, como está o desenvolvimento do UBUNTU GAMES ou de alguma sugestão sobre o tema?

    Abraços.

    Comment by João Melo | June 11, 2006 | Reply

  10. Cara, tem algumas idéias interessantes, mas outras são completamente estapafúrdias, como mudar a estrutura de diretórios. Se os nomes são mudados, o LSB e a integração do sstema com outros pacotes e com softwares compilados do source vai por água a baixo, e a idéia do openmosix por padrão é boa, com o problema do openMosix estar longe de estável pra kernels 2.6, de forma que com certeza na próxima versão isto não estaria implementado.

    Comment by evandrofisico | June 11, 2006 | Reply

  11. Sou a favor de se utilizar outro compactador para os pacotes e discordo quando falam que o bz2 eh rapido.
    Gosto muito do 7zip , mas o desemvolvimento dele nao eh legal… ele desenvolvido por russo para o linux e depois portado para o linux… o russo eh meio cabea dura e nao conhece o linux.
    eitem outros formatos de compactacao hoje, no sf.net voce pode encontrar o kgb que eh muito bom e compacta mais que o rar, 7zip, acce e etc… e a uma velocidade legal. existe tambem o pimpe (lzpxj) que eh muito veloz e compacta bem mais que o bz2.

    http://sourceforge.net/project/showfiles.php?group_id=162546
    ou ate..
    http://sourceforge.net/project/showfiles.php?group_id=147712

    Comment by alexandre | June 11, 2006 | Reply

  12. Gostei das suas observacoes, mas algumas me preocuparam.
    A taxa de compressao maior é obtido com maior processamento da CPU, quanto maior for o arquivo mais absurdo será o %CPU para [des]comprimir. Quando estamos falando de desktops modernos é bem aceitável o tempo que leva a compressão porque a taxa obtida foi absurdamente melhor, mas numa máquina como servidor onde o tempo de cpu é compartilhado com outros programas e serviços não é uma vantagem, é uma desvantagem.

    Já usei o simples bzip2 como alternativa para realizar um backup e os usuarios me ligaram porque a rede tava tão lenta (servidor samba). Acredito que o velho .tar.gz ainda é o melhor por consumir menos %cpu.

    Comment by hamacker | June 12, 2006 | Reply

  13. O colega aí acima perguntou se o diva esta nos repositorios, bem, é um projeto alfa que se baseia no mono e versoes cvs do gstreammer, então fica complicado jogar ele no repositório debian(sarge). Mas existe este howto no forum do ubuntu :
    http://www.ubuntuforums.org/showthread.php?t=157565&highlight=diva

    Comment by hamacker | June 12, 2006 | Reply

  14. Olá, kurtkraut. Uma sugestão: que tal colocar na documentação que seria instalada na nova versão os links para as páginas brasileiras do ubuntu? Daria um trabalho adicional deixar em dia para o lançamento, mas pelo menos os leigos (ou não tão leigos) teriam um ótimo local para tirar dúvidas.
    Eu mudei do suse 10.1 para o ubuntu mas só consegui acessá-las dois ou três dias depois do lançamento, assim usei muita coisa do guia da 5.10, mas também eu já tinha um pouco de conhecimento.
    Tenho influenciado algumas pessoas a testar o ubuntu, mas fico com um pouco de receio ao deixá-los por conta própria. Se houver farta documentação, como a que já temos, fica mais fácil a migração.

    Boa sorte e parabéns pelo trabalho de vocês.

    Comment by Renato | June 12, 2006 | Reply

  15. Legal o post.

    Temos que tomar muito cuidado com o 4) e 5). Podem tornar verdadeiros desastres. Não acho legal implantar isso ainda não, pelo menos não o Edgy. Mas é legal ir pensando em formas de facilitar o Linux para o usuário leigo.

    O 8) tb é bacana, mas temos que tomar cuidado com a falta de praticidade. Instalar o MySQL e já ter ele rodando, junto com Apache e php, não me lerda tanto o sistema e é bem prático. O fato do Ubuntu ter configurado isso automaticamente foi melhor ainda. Ou seja, se vc percebeu isso vai gerar uma boa polêmica, tb posso estar querendo optar por velocidade e achar o InitNG muito bom?
    Será que não seria legal perguntar no momento de inclusão no boot? Talvez incluir automaticamente e criar uma notificação do sistema, como quando fazemos um update? Talvez essa seja um alternativa mais viável.

    O 9) o Ubuntu já faz, pelo menos ele optou automaticamente por o 686 quando instalei ele do zero no meu pc, e isso foi desde o Breezy!

    O 12) eu ainda nao acho legal usar 7zip. Ele é muuuuuito lento pra descomprimir. Algumas máquinas ficaria instalando pela eternidade, o ideal mesmo é o Gzip ou o Bzip. O Gzip pq facilita tanto pra quem vai comprimir quanto pra quem descomprime. O Bzip dificulta bastante para quem desenvolve, mas as vezes nao tem tanto problema já que tudo será comprimido uma só vez, e a vantagem dele não é só no tamanho menor que o Gzip, mas também no seu algoritmo de descompressão que é bem rápido. Talvez o Bzip ainda fosse a melhor solução.

    Comment by Lucas Arruda | June 13, 2006 | Reply

  16. […] Estava lendo este post e tentando entender como alguém consegue propor o Listen como player padrão de uma distro. Espero que a comunidade Ubuntu recobra a racionalidade logo. […]

    Pingback by Fudeblog by Cesar Cardoso » Dança do robô | June 14, 2006 | Reply

  17. […] KurtKraut » Salamandra futurista Possibilidades de inovações que nos esperam na nova versão do Ubuntu, algumas sugestões são realmente espetaculares, se quer dar alguma sugestão, visite o artigo para saber como. (tags: Linux Ubuntu) […]

    Pingback by Bruno Alves | June 15, 2006 | Reply

  18. Sou de acordo de usar alguns nomes de pasta de uma forma mais amigável, sem perder a conotação técnica da coisa mas uma mudanaça tipo: home ==> casa ;root ==> raiz; nao teria nada de incomum, (embora muitos nao saibam) a nossa lingua é ainda o português, digo mais q seira um avanço muito significativo em relação as demais versões existentes. Já no aspecto do boot creio q o ubuntu já tem feito grandes melhorias nesse sentido, creio também que ele seria interessante q o usuário podesse optar por uma simples barra de progresso sem ter q ficar olhando aqueles processos, q quase sempre estão em inglês ainda. Vejo o ubunto como o linux mais promissor já lançado e, se aproxima mais de uma padronização. Os outros linux’s q se cuidem!

    Comment by Adalberto Freitas | June 15, 2006 | Reply


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: